domingo, 12 de setembro de 2010

Deixando... o comum (paixão)!

Antes de iniciar a leitura, recomendo iniciar o vídeo... Torna-se mais agradável.



Sinto aos poucos o calor fugindo através das árvores, é a hora que o audaz frio tenta tomar conta do que foi abandonado, aos poucos o ar torna-se difícil então deixo de estar atento ao pulsar do sentimento maior existente.

Às vezes chego a pensar que o frio faz parte do que consome a vida útil de um ser, por mais insignificante que imagine ser, sempre sento à porta em plena noite e senta também o frio.

É preciso se preparar a cada início, para o inverno que sempre acontece e poucos resistem, mas muito pouco exige de nós, que cheguemos ao êxito no fim desta fria estação. Estas são...

O rarefeito sentimentalismo torna raro o efeito chamado amor, cedendo o trono ao passageiro que não se movimenta chamado Paixão, poucas são as vezes que se progride, vai-se além!

Qual o nobre ser terreste que desvendaria tal sentido de despertar paixão sem intenção de efetivar algo mais forte?

Dúvidas surgem, daí então vem a vontade de fugir, correr o mais rápido que se conseguir... Pra tentar romper até mesmo uma barreira que não se vê, como a do som... Tentar falsamente ficar sem nada ouvir...

Por fim... Desejo a sorte de milhares de encontros com indispensáveis quadrifólios!

Um comentário:

Dario Dariurtz disse...

Bem mais prazeroso mesmo... Estou te dando o Prêmio DARDOS. Depois passa no meu blog para pegar a logo. Abraço. Dariurtz

Seguidores

Tradução