segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Onde estive... E onde hoje amou

Do silêncio, ao grito... De volta ao escrito!



Fiz de muitas meu trajeto
De cada luta guardo objeto
Do desejo outrora oculto
Ir ao paraíso é um desejo mútuo

Eterna escada a ser usada
Por aventureiros amantes
Usada e nunca amada
O desejo de ser como antes

Faz da terra o recomeço
E do céu objetivo
No céu não me reconheço
Um lugar que nunca estive

sábado, 22 de janeiro de 2011

Palhaço X Poeta

O palhaço quando quer comover, concebe graça
O poeta quando quer se envolver, exprime
O que se faz piada e o que se faz poesia

De um é o fingimento do sentimento para criar graça
Do outro, foi a desgraça fingida de um sentimento

Um sorri do que ele mesmo faz, o outro não
Chora enquanto todos vêem o quão triste é

São atingidos pela solidão, e ambos criam algo e se saem!

Se refaz na desgraça alheia, cria algo à partir daí!
Todos dão risadas por não saberem a real origem daquilo

Conhecido por poço de tristezas esconde a maior das alegrias que é amar,
Conhecido por não ter tristezas quando só é tão poeta quanto o próprio.

O palhaço quando quer comover, concebe graça
O poeta quando quer se envolver, exprime
O que se faz piada e o que se faz poesia

domingo, 16 de janeiro de 2011

O que é a má poesia?

Dilacera o que outrora oculto
Que se pensou estar seguro
Diante dela, permaneço mudo
Incerto sobre quanto tempo eu duro

Seria esta a má poesia?
Seria má por ser só minha?
Poesia que causa náusea
Desejando usar o que nem tinha

Poesia pra mentira esconder
Poesia pra menina entender
Poesia pra te ter sem te ver
E o poeta conhecer a si mesmo...

Apreciando a Pressa

Aprecio apressado a visão
De quem só ouve o que convém
O que dá vontade, no violão
Quem não dá valor ao que tem

Quem tem música nas mãos
Não sofre nunca de solidão
Quem sofre de silêncio
Pode até morrer do mal

Eis a nobre poesia
Te persegue noite e dia
Se pudesse, as musicaria
Talvez assim, imortalizaria!

sábado, 15 de janeiro de 2011

Sábado de a bom!

Nelson Rodrigues
Clarice Lispector
- O sábado é uma ilusão... (Nelson Rodrigues)

- Acho que sábado é a rosa da semana... (Clarice Lispector)

No sábado é dia de lavar... A alma, o carro ou a moto, ou sujar mais ainda, na lama, barro ou esgoto!

Dia da sujeira ou dia da limpeza.

Fazer folia embaixo do prédio ou ficar em casa sem nada fazer.

Às vezes é só um intervalo necessário entre as semanas de labuta.

O que fiz no sábado passado eu não lembro, e o que vem eu nem imagino!

O que me faz deixar pra trás o que já está lá e no futuro o que está à frente! Nada de pular o tempo ou uma marcha ré.

Alguns marcham, em ré. Hoje só toco marchas em Ré(D)... Sem marchar, só andando pra frente! Parar? Jamais!

O sábado é feito pra ser aproveitado, a forma como isso vai acontecer? Não se sabe, podes saber que o sol vem amanhã, mas não sabes se as nuvens estarão à sua frente.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Um recado para a Noite!

- Noite?
- [...]
- Estais acordada?
- Ouça... Não é pra te fazer deixar de existir por alguns momentos, é só pra me aquecer, que acendo esta chama... Não a levaria como uma ameaça se fosse você...
Acalme-se e permaneça a me esfriar para que o fogo precise ser aumentado, pois é na frieza da noite que cresce o fogo do amor!

Quem sou eu em você? E em nós?

Sou aquele leve sorriso
Seu mais doce deslize
E você? Todo ar que preciso
Amando, deslizamos sorrindo pelo ar

O vento que dita a dança
Ao vestido de amor revestido
O toque selando a aliança
O prazer nunca antes sentido




O sagrado suor suave cede
O beijo demorado mata a sede
De amor e de reencontro
Ameniza com a flor, o confronto

domingo, 9 de janeiro de 2011

Não é a falta... É a presença!

Agora já não é só a falta
A presença é o que me preocupa
Uma pena, o tempo que não passa
Nada que faço me ocupa

Um mês, dois ou três...
Uma semana, a saudade emana
Um dia, demorada é a noite fria
Chega o dia e o coração inflama


Ela se aproxima, e me lembro
Todos os trejeitos e mimos
O louco agora mais ameno
Aflora tudo que sentimos

Saudade de Você

Vem a vontade de largar tudo
De parar de tentar me dominar
Desistir de viver num mundo só
De voar sempre sob as nuvens

Sentir-me aprisionado sem grades
Levantar vôo e ser derrubado
Por uma ou outra verdade
Que perturbam e, enfadam

Te ouvir respirar me liberta
Tua voz em música me completa
Não te ter comigo me desperta
Que outra beleza não me afeta

Ficar contigo
Tocar-te desiludido
Com um beijo amigo
Um anjo ora desaparecido

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Sim Com Amor

Sim com amor, sim
Sina do girassol é admirar
Sempre a olhar o Sol
Sem por um minuto desviar

Se com amor se paga
Com um sim se dá o troco
Não é paixão, que logo apaga
Nem platônico, amor de louco

Vem na saúde
E não se vai na doença
Cresce e se multiplica
Não se perde na crença

Aceita erros, mas os corrige
Ao guerreiro, fortalece
À bela causa então exige
E por pouca coisa não desfalece

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Perto da Luz

A luz é uma fuga
A escuridão torna-se fulgaz
Mostra-me a força da chuva
E mostra do que ela é capaz

É onde vejo meus erros
É onde me envergonho
Onde me vêem por inteiro
Mas é onde não há sonhos

Falta a luz, sobra tristeza
Alegria, a luz voltou!
Da estrela, esconde a beleza
Sem luz não se nota o que resta

A luz matinal invade o quarto
Ofusca o olhar inocente no parto
Meu corpo inteiro queima
Perto da luz da paixão

Seguidores

Tradução