segunda-feira, 18 de abril de 2011

Noite, triste noite aquela...

Noite atormentada pelos espíritos do maldizer, antigas cantigas ressoam vindas do norte, que é pra onde vou. Recriou-se o clima de fim de ano, despedida e desengano.


Das portas que outrora envaideciam-se a fechar, agora permanecem abertas, nem paredes neste instante me cercam, sou livre e deixarei voar os pássaros que traziam cores à minha vida, mas permanecerá viva na memória...


Cantigas de roda...
Antigas  e uniformes...
O Gigante do João do Pé de Feijão...
O Lobo mau...
O Dragão do Castelo...
As bruxas presentes...



Bruxos, ogros e trolls...

Todos se mostram com feição de finais, assustadores e malvados, sempre vencidos por príncipes e heróis!



Todos precisam de inícios, meios e infelicidades.

Um comentário:

Wrelison Knowles - Noticias disse...

Nossa adorei as poesias... você é bem expirado ne? quem é essa pessoa que te faz te inspirar tanto? too sem palavras para o que eu lee aqui no blog... parabens continue assim, que você vai longe... abraçãoow bem forte espero te conheçer pessoalmente;

Seguidores

Tradução