domingo, 24 de abril de 2011

Servirei ao meu Amor assim...

Quero ao meu amor servir
Como concha, ao dormir,
Travesseiro, ao adormecer do sol,
Sol, que no dia, sai a causticar

Enquanto amor não tenho,
Vivo apenas por me cuidar
Sem dizer de onde venho,
Mas, buscando a quem amar

Amar à todos, disse O Criador
Compartilhar comigo a dor
Que hoje sofre a fronte do poeta,
E do vasto caminho liberta

Dai-me oh veredas...
Sinais de tua existência
Sem atalhos não alcanço
Aceito toda subserviência!

Nenhum comentário:

Seguidores

Tradução