sábado, 7 de maio de 2011

Às Mães dos Poetas...


Bênção noturna que desfaz insônia
Que pedi para em paz dormir
A preparação da redoma diária
P'ra que no dia não me distraia

Meu primeiro cenário, tua barriga
Escola p'ra mim, era tua vida
Foram meses vividos dia a dia
Do ventre (hoje) de uma boa amiga

Lutas, ruas, vitórias e histórias
A coexistência do caule, espinhos e das rosas

Quando indefeso eu chorava
Tuas palavras me acalentavam!
Minhas piadas, brincadeiras...
Tuas risadas e ataques de gargalhadas

Teus interesses em minhas horas
Saber quem a mim, namora
Quem comigo está no caminho
Teu medo quando ando sozinho...

Entendo que isso é o quedefendo,
Do Amor sou defensor,
Do teu cuidado eu dependo,
E os cuidados do meu Senhor...





"O poeta chora, o poeta dá risadas, tem sentimentos e necessita de compreensão... Uma mãe compreensiva é o sonho do poeta!"

2 comentários:

FEIJÃO E ARROZ disse...

Muuito bom...
Ter uma mestra é tudo do que precisamos para ser "um tanto bem maior"

Ane Gregório disse...

Oh meu bem, gosto tanto desse teu lado... [rs]
;) lindinho...

Seguidores

Tradução