segunda-feira, 23 de maio de 2011

Poesia, Meu Abrigo!

Abrigo pra chuva é a árvore
Menos intensa fica, porém, densa
Poesia é a fuga da vida pro Poeta
Assim como a árvore aos mortais

Poesia não protege o poeta
Só condensa e infiltra a pele
Aprisionado na questão perpétua
Da dor que o amor empresta

Refúgio soado nota a nota
Esforço hereditário cultural
A música foge do silêncio
A língua se move impaciente

O ímpar não é feliz
O par separado não encaixa
O sol faz da lua aprendiz
E o ser parado, infeliz!

Nenhum comentário:

Seguidores

Tradução