terça-feira, 1 de abril de 2014

PõeMar

Faço o sol
Caço a chuva
Caçoo da nuvem, pobrezinha...
Um dilúvio espero sempre
Despreparo o corpo
Desato cadarços, descalço
Largo a vida num lago só meu
Que fez lá em casa, fui à rua
Chuva fria, gélida como só ela sabe
Eu, que a venci e nem lutei
Mas cheguei, me molhei...
Cresci mais forte em oposto
Gosto como ela chega
À mesa ponho-me servido
Servo d'uma corrente que não tem aço... Acho...
Um guerreiro, que só se encontra, contra tudo!
Sob a chuva à tona tudo surge
Uns fogem... Correm... Cobrem...
Há de se cobrir, cobrar um teto, quem nunca teve
Pede o seu, que impede a chuva
Gosto como ela chega
Quando chega, trata com carinho...
Em meu caminho sinto e só
Sobrevivo.

Nenhum comentário:

Seguidores

Tradução